quinta-feira, 18 de junho de 2009

Casamento no Brasil

Pois então depois de 1 mês e alguns dias no Brasil, Charles chegou após o Natal porque ele perdeu o vôo. Ele havia me garantido que tava tudo ok com o visto brasileiro dele, nem deu confiança porque achei que não haveria problemas. Só que o visto do menino estava vencido, e ele só descobriu na hora de fazer o check-in no dia da viagem. Não teve jeito de ele viajar, teve de ir no Consulado Brasileiro em Montreal pedir um novo visto, mas demorou uma semana.
Charles chegou no Rio finalmente, mas eu já estava nos preparativos pra o casamento número 2. Na verdade já estávamos casados fazia 1 ano, nos casamos em Montreal. Mas como não tinha ninguém da minha família presente e casamos só no civil e minha mãe ficou toda dramática, resolvemos nos casar no religioso no Rio. Eu não queria muito tudo aquilo, mas como já estava envolvida, fiz como manda o figurino. Não conseguimos uma Igreja Católica Romana pra janeiro, pois estava tudo lotado e não dava pra ser mais tarde porque Charles tinha que voltar pra o trabalho, então encontramos uma Igreja Católica mas não Romana (a do Papa e tal). Eu fui batizada no catolicismo e fiz tudo dentro dele (mesmo sem querer rsrs), Charles é católico, mas hoje em dia eu sou espírita e preferia que tivesse sido uma cerimônia dessas mas como não achei, acabou sendo nessa Católica Apostólica Brasileira que pra mim é tudo a mesma coisa.
Foi até legal o casamento, meu tio morrendo de chorar (ele que entrou comigo), minha mãe de tão nervosa não deu um sorriso, minha família toda chorando mas eu estava num outro mundo naquela hora. Faltavam pessoas que eu gostaria que estivessem ali, sei que de alguma forma estavam, mas não era a mesma coisa. Mas enfim, pelo menos foi legal ver minha mãe feliz em ver sua filha casar na igreja, qual mãe não sonha com isso?

quarta-feira, 17 de junho de 2009

Viagem ao Brasil

Oi pessoal, eu ando meio sumida mas é por preguiça de ficar na frente do computador escrevendo com o sol lá fora, tá começando o verão e tenho que aproveitar.
Bom, quando eu postei a última vez, falei sobre a volta maluca pra Seattle e toda o estresse que foi. Quando eu fui embora dessa cidade definitivamente, passei por uma outra maratona. Tive que ir pra Montreal pra viajar para o Brasil. Só que foi totalmente louco pois tive apenas 4 dias pra chegar no Canadá, desarrumar malas, arrumar malas de novo, comprar bugingangas pra família e viajar. Até aí tudo bem, nada de problemas, mas eu cheguei no Rio um caco de pessoa depois de várias horas de vôos e escalas. Eu que não nasci e nem sou rica, tive que comprar meu bilhete com milhas, eis a confusão. Só que a Flying Blue é uma companhia de milhagem das mais espertas do mundo. Compramos Montreal - Rio, mas me deram só Houston - Rio e tivemos que comprar Montreal - Houston o que nos custou mais de 300$, ninguém merece. E detalhe que tive tantas escalas que quando cheguei no Rio meu corpo não obedecia minha cabeça. Vamos as contas:
Peguei um avião de Montreal pra Detroit por volta de 14h, fiquei esperando até mais ou menos até 15:30 para ir até Houston e fiquei esperando depois 5 horas até pegar o avião que eu acreditava que iria direto pro Rio finalmente. Só que descobri que teria uma outra escala em São Paulo, que me custou 1 hora parada dentro do avião para pessoas sairem e entrarem, que tédio.
Juntando tudo acho que só de vôo tive umas 15 horas em 24 horas e o resto foi de espera (tirando que no Canadá tinha 3 horas a mais que no Rio).
Chegando no Rio enfim, que felicidade pois não via minha família já tinha mais de 1 ano. Minha prima e seu namorado que já considero primo, eram um dos poucos a saber que eu chegaria naquele dia, além deles só minha irmã sabia, quis fazer surpresa pra mamy. Eles dois foram me buscar no Galeão e ficaram esperando mais de 1 hora pois foi longa a fila da Alfândega, demorou muito pra sair do avião, um calor medonho (eu saía de uma temperatura de -15°C pra uma de 35°C) dentro do aeroporto. Eles armaram um almoço na casa da minha mãe, só pra eles e minha irmã, aí que aperece de supetão? Euzinha aqui, que mais parecia um zumbi rsrs. Minha mãe quase teve um treco e os cachorros também, mas no fim tudo deu certo e ela não passou mal, meu medo rsrs. Notícias na minha família voam como vento e só consegui descançar já era mais de meia-noite pois o povo foi chegando, chegando, affe. Da última vez que fui lá, pedi pra minha mãe dizer que eu chegaria dois dias depois porque é tão cansativa essa viagem que você só quer dormir e relaxar. Não que eu não queira muito ver meus parentes e amigos, sim claro que adoro, mas no dia mesmo que a gente chega é difícil pois o cansaço fala muito mais alto e é complicado dar atenção e tal, as pessoas até imaginam que você mudou, mas tenha dó né.